Roteiro | Três Horas Em Lisboa

3
1016
Passeio por Lisboa

Sim, é possível conhecer muita coisa em apenas três horas em Lisboa!

A capital portuguesa não é enorme e rapidamente se consegue chegar aos sítios mais emblemáticos de transportes.

Fica já a saber que se estás a fazer escala na capital portuguesa, tens poucas horas e queres conhecer alguma coisa. Sim, é possível!

Eu fiz essa experiência! Numa tarde de domingo consegui tranquilamente visitar locais ao ar livre que qualquer turista poderia espreitar.

Claro que ficou muita coisa por ver, mas se eu fiz isto em apenas três horas em Lisboa Imaginem se fosse um dia inteiro…

Aqui ficam algumas dicas se estiveres apenas três horas em Lisboa:

Primeiro, e para passearmos livremente pela cidade, o ideal é comprar um bilhete diário de transportes.

Tem o custo de 6.15€ para carris (autocarros) e metro. Existem outras opções que incluem o barco para a outra margem (Transtejo) ou o comboio (CP).

Iniciei a viagem no Marquês de Pombal. Apanhei um autocarro em direção ao Cais do Sodré (Carreira 736 Odivelas – Cais do Sodré) e saí no Rossio.

Nesta curta viagem podem apreciar a beleza de uma das avenidas mais emblemáticas da cidade, a Avenida da Liberdade, comparada por muitos como sendo os Champs-Élysées (em Paris ) portugueses.

Uma avenida recheada com algumas das melhores marcas de roupa a nível mundial.

Avenida da Liberdade, em Lisboa
Avenida da Liberdade, em Lisboa

– No Rossio podemos apreciar a beleza da Praça D. Pedro IV com os seus lindos chafarizes e o imponente Teatro Nacional D. Maria II.

Daqui conseguimos avistar, ao longe, de costas para o teatro, as ruínas do Convento do Carmo e, ainda na mesma direção, o topo do elevador de Santa Justa, que falarei mais à frente.

Praça do Rossio, com o Teatro Nacional Dona Maria II ao fundo

Roteiro de três horas em Lisboa

Praça do Rossio, com o Teatro Nacional Dona Maria II ao fundo
Praça do Rossio, com o Teatro Nacional Dona Maria II ao fundo
Rossio
Vista da Praça do Rossio para as ruínas do antigo Convento do Carmo, em cima à direita

– Dado a proximidade, vale sempre a pena seguir em direção à Praça da Figueira. Por vezes realizam-se aqui algumas feiras ou atividades interessantes.

Eu encontrei uma feirinha de gastronomia.

No topo da colina conseguem avistar o Castelo de São Jorge.

Um monumento nacional ao qual os residentes no Concelho de Lisboa podem ter acesso gratuitamente, no entanto são obrigados a apresentar o Cartão do Cidadão e a digitar o PIN da morada constante no mesmo.

Praça da Figueira
Praça da Figueira

– A minha sugestão é que daqui caminhem até à Rua Augusta, a mais famosa rua da baixa de Lisboa.

Ladeada por diversas lojas e restaurantes, são inúmeras as pessoas que por aqui passam diariamente.

A meio podemos vislumbrar o Elevador de Santa Justa, também conhecido como Elevador do Carmo.

Tem a particularidade de na sua construção terem sido aplicadas algumas das técnicas e materiais utilizados por Gustave Eiffel, mas não existe uma ligação comprovada ao mesmo.

Nesta rua podem encontrar inúmeras estátuas humanas com pormenores muito interessantes.

A rua termina com o Arco Triunfal que também se situa na parte norte da Praça do Comércio.

É possível visitar o miradouro do Arco da Rua Augusta por 2,50€.

Rua Augusta
Rua Augusta
Elevador de Santa Justa
Elevador de Santa Justa

IMG_20161009_154958.jpg

 

Arco Triunfal ou Arco da Rua Augusta
Arco Triunfal ou Arco da Rua Augusta
Em frente ao Arco existem elétricos que nos podem levar para outros pontos da cidade.

Como estava mesmo a chegar o elétrico 15E que faz a ligação até Algés passando por Belém, resolvi apanhá-lo.

Este não é o típico elétrico que aparece nos postais, mas uma forma muito rápida e prática de chegar a mais um ponto turístico de elevado interesse.

Podem sair mesmo em frente aos Pasteis de Belém, mas se têm a ambição de comer um dos pastelinhos mais famosos da capital, podem ter que esperar durante largos minutos.

As filas são sempre enormes. Há tanta coisa para ver e viver e tantos pasteis de nata pela cidade que em apenas três horas em Lisboa, eu não esperei, mas há quem diga que ir a Belém e não comer um pastel é a mesma coisa que ir a Roma e não ver o Papa.

IMG_20161009_161934.jpg

Pastéis de Belém
As filas para a conhecida pastelaria, de fabrico próprio, dos pasteis de Belém são quase sempre gigantes
Preferi dar uma volta pelos jardins de Belém.

Aqui podem encontrar o maravilhoso, e pequeno, pavilhão Tailandês fabricado sem pregos nem parafusos.

De repente parece que somos teletransportados para bem longe daqui.

É um monumento muito bonito com uma construção tradicional em madeira de teca revestida a folha de ouro e vitrais brilhantes.

Foi uma oferta da princesa tailandesa Maha Chakri Sirindhorn.

Se continuarmos pelos jardins que também podem ser um ótimo local para descansar, ler, namorar ou até fazer um piquenique, encontramos um lindo chafariz e uma vista magnífica para o Mosteiro dos Jerónimos.

IMG_20161009_170421.jpg

Pavilhão Tailandês, Belém, Lisboa
O pavilhão Tailandês, situa-se em Belém e tem características bastante curiosas: foi fabricado sem pregos nem parafusos

IMG_20161009_170540.jpg

14624271_320676428288245_7939388351080038400_n.jpg

IMG_20161009_171223.jpg

Jardim do Mosteiro dos Jerónimos
Vista a partir dos jardins em frente ao Mosteiro dos Jerónimos

IMG_20161009_170915.jpg

O Mosteiro dos Jerónimos ou Mosteiro de Santa Maria de Belém foi erguido no século XVI, de estilo Manuelino, é dos mais notáveis conjuntos monásticos portugueses do seu tempo e foi eleito como uma das sete maravilhas de Portugal.

É um edifício imponente e que merece os milhares de visitantes que recebe diariamente.

A Igreja do Mosteiro ou Igreja de Santa Maria de Belém está aberta ao público gratuitamente e vale muito a pena entrar, pois na minha opinião é uma das bonitas em Portugal.

Quando se entra encontramos à direita o túmulo de Luís de Camões (considerado uma das maiores figuras da literatura lusófona e um dos maiores poetas do Ocidente) e à esquerda o de Vasco da Gama (navegador e explorador português, destacou-se na Era dos Descobrimentos por ter sido o comandante dos primeiros navios da Europa a chegar à Índia).

Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa
Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa

Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa

Fachada da igreja de Santa Maria de Belém
Fachada da igreja de Santa Maria de Belém
Jazigo onde se encontram os restos mortais de Luís Vaz de Camões
Jazigo onde se encontram os restos mortais de Luís Vaz de Camões
Interior da igreja de Santa Maria de Belém
Interior da igreja de Santa Maria de Belém
Jazigo com os restos mortais do navegador e explorador português Vasco da Gama
Jazigo com os restos mortais do navegador e explorador português Vasco da Gama

Nesta zona ainda existem mais monumentos a visitar como a Torre de Belém, o Padrão dos Descobrimentos ou até o Museu Coleção Berardo inserido no CCB (Fundação Centro Cultural de Belém), mas em três horas… continuemos!

A minha sugestão é que apanhem o mesmo elétrico 15E. Tentem apanhar na paragem inicial (fica num largo do lado direito dos Jerónimos – tendo este de frente) se pretenderem ir sentados.

Na segunda paragem, em frente aos Pasteis de Belém, a confusão é mais que muita.

Elétrico 15 com um perfil bem mais moderno que vai para a zona de Belém
Elétrico 15 com um perfil bem mais moderno que vai para a zona de Belém

O objetivo ao apanhar o elétrico de novo para a Praça do Comércio é apreciar o pôr-do-sol num dos meus locais favoritos da cidade: O Cais das Colunas.

Daqui conseguimos avistar a Ponte sobre o Tejo (Ponte 25 de Abril), o Cristo Rei ao longe e a Margem Sul que se torna bem mais perto.

É:

– Um excelente local para descansarem depois de viverem intensamente estas três horas;

– Um local que nos remonta para outra época;

– Um local onde podemos apreciar o fluir da corrente;

– Um local encantador.

Ribeira das Naus
Ribeira das Naus
Pôr-do-sol a partir da Ribeira das Naus
Pôr-do-sol a partir da Ribeira das Naus

IMG_20161009_180950.jpg

P.S.: Não se esqueçam de, nestas três horas em Lisboa, olharem para o chão. A nossa Calçada Portuguesa é única e magnífica.

Típica calçada portuguesa
Típica calçada portuguesa
Lisboa é uma cidade espetacular para viver, passear e ser feliz.

É uma das capitais mais seguras da Europa e algumas vezes é desvalorizada até por nós que aqui fazemos a nossa vida.

Às vezes pensamos que a conhecemos, mas todos os dias nos pode surpreender.

Esta é apenas uma das propostas para poderem aproveitar três horas em Lisboa!

Acompanhem-me também no Instagram aqui e no Facebook aqui.

COMPARTILHAR
Eu sou a Elsa e tenho 30 anos. Sou uma mulher feliz e cheia de teorias. Adoro viajar, estar por dentro das novidades de lifestyle e casei-me em 2017, por isso, também tenho muitas dicas para vos dar. Espero que gostem do meu cantinho!

3 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here