Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As Teorias da Elsa

Um blog que pretende motivar, inspirar, informar e dar a conhecer sítios e lugares surpreendentes.

As Teorias da Elsa

Um blog que pretende motivar, inspirar, informar e dar a conhecer sítios e lugares surpreendentes.

Pessoas atadas

shoes-1751928_1920.jpg

 

Já vos falei da minha paixão pelos transportes públicos aqui, lembram-se? São uma fonte inesgotável de inspiração. Aproximam pessoas de todas as espécies e feitios. São uma excelente forma de observar e absorver. E, no meu caso, o pretexto ideal para escrever. As ideias fluem a uma velocidade impressionante. Aliás, já pensei em passar um dia inteiro a fazer a linha vermelha do metro de uma ponta à outra só para escrever.

Mas o que eu queria realmente dizer é que todos os dias encontro sobretudo pessoas que me parecem bem atadas. E são tão divertidas! Ou não! Uns dias temos mais paciência do que outros...

 

Reparem: O autocarro chega. Para e abre as portas. O motorista está na sua vidinha, a preparar-se para arrancar. A primeira pessoa da fila não anda. Está à espera que o homem se sente e lhe diga: "Faça favor de entrar, minha senhora!" Não! Se as portas abriram é porque podemos entrar!

 

 

Outra: Os torniquetes do metro não abrem. A pessoa já passou 10 vezes o cartão e nada. A fila vai acumulando enquanto a pessoa pensa: "Não! Nem penses que não vais abrir! Anda! Abre-te!" Pessoa, se não abriu na quinta vez também não vai abrir na décima. Tem de verificar o que se passa, mas noutro lado.

 

 

Esta não é ser atado, é julgar-se muito inteligente. Nos autocarros mais pequenos com lotação para 28 pessoas, adoro aquelas pessoas que estão no início da fila e que preenchem imediatamente os lugares sentado à ponta. Vão sair na última paragem, mas é muito mais giro irem no lugar de melhor acesso à saída. Só que depois venho eu e vou querer sentar-me. Lamentavelmente aquela pessoa que se sentou à ponta vai ter de se levantar. Além disso, como eu vou sair primeiro, ainda vai levantar o rabinho do assento mais uma vez. Mas foi gloriosamente à ponta!

 

Agora saindo dos transportes: Vamos a uma loja cheios de vontade de comprar algo, pedimos uma coisa ou outra para experimentar, mas a lentidão é tanta que lá se vai a vontade. Isso é ser atado, pouco desenrascado ou apenas não ter vocação.

 

 

Depois existem as pessoas que não dão um passo sem pedir opinião. Quando se vive em conjunto com alguém, faz sentido que assim seja... Por respeito! Agora quando não existe qualquer ligação, a certeza do que se quer e deve fazer é muito importante. A assertividade e a iniciativa são fundamentais no nosso dia-a-dia.

 

 

O trânsito é outro dos melhores exemplos. Basta um aselha com vontade de dormir na estrada que já para tudo. Eu sei que existem pessoas com mais experiência que outras, mas por favor... O Ser Humano tem muita capacidade para tomar decisões rápidas... Assim sendo, é bom dar-lhe uso de vez em quando.

 

 

Ainda na temática do carro... Estacionar! Só de pensar nos exemplos perco-me de riso. Sobretudo aquelas pessoas que teimam que o carro tem de caber... Isso também não é ser atado, mas é ser teimoso. Tanto batem no carro da frente, como no de trás e quase que parece que têm a missão de os encolher. Quando percebem que definitivamente o carro não cabe, acabam por ir embora. Claro, que a maior parte das vezes é lá que encaixo o meu pequeno carrinho sem tocar nem no da frente, nem no de trás.

 

 

Ainda sobre estacionamento... quando temos a ajuda de alguém que nos diz: "Podes vir, podes vir..." E pumba, já bateu... "Então pah? Não podia ir?" E a resposta: "Ups, calculei mal a distância!" Por isso, existem arrumadores profissionais, ou não, que exigem a moedinha. Claro que alguns deles também são bem atados...

 

Ser atado não é um dom, mas a verdade é que me rio muito com pessoas atadas. As pessoas atadas são umas queridas... E eu também adoro ser atada de vez em quando! Afinal de contas, quem é que nunca foi atado?

 

Acompanhem-me também no Instagram aqui e no Facebook aqui.

 

 

8 comentários

Comentar post