Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Teorias da Elsa

Um blog que pretende motivar, inspirar, informar e dar a conhecer sítios e lugares surpreendentes.

As Teorias da Elsa

Um blog que pretende motivar, inspirar, informar e dar a conhecer sítios e lugares surpreendentes.

Entrevistas: Como sorrir depois de um AVC aos 13 anos

Hoje vou contar-vos a história da Sara Frederico. Tem agora 24 anos, mas uma grande vivência que partilhou comigo - e desde já o meu muito obrigada, por me deixar partilhar convosco. Conheci-a num acaso da vida, mas desde logo percebi que era especial e um exemplo de coragem. Tem um sorriso lindo e uma felicidade contagiante que muito admiro. A pessoa certa para fazer parte deste blog!

 

13221552_1723615871213458_3966830167609282888_n.jp

 

O que é que te aconteceu?

Tive um AVC (Acidente Vascular Cerebral) no dia 22 de Dezembro de 2005.

 

Que idade tinhas?

Tinha 13 anos. Era apenas uma criança.

 

Não percebia o porquê de com apenas 13 anos estar num hospital 

 

Como lidaste com o que te estava a acontecer?

Foi muito difícil lidar com a situação. Passei por várias fases... Primeiro a de revolta, não percebia o porquê de com apenas 13 anos estar num hospital, numa cama, com soro, uma fralda e o cabelo rapado. Era altura de Natal e não podia estar em casa, não podia brincar, nem sequer levantar-me da cama do hospital. Depois a fase de perceber o que se estava a passar, mas ainda assim não perceber o porquê de estar numa cadeira de rodas, o porquê de tudo, se até então era tão saudável, nunca tinha ido ao hospital. Por fim, a fase de aceitação. Aceitei que aconteceu porque tinha de acontecer e que tinha de seguir em frente e lutar.

 

Quando é que percebeste que o que aconteceu estava a mudar a tua vida para sempre?

Percebi quando me deparei com uma cadeira de rodas, com o cabelo rapado e sem conseguir mexer o braço e a mão. Ai sim, percebi que tinha uma batalha longa e dura pela frente.

 

14568934_1780151228893255_718648607_n.jpg

 

Que justificação te deram os médicos para teres um AVC tão nova?

A justificação foi simples e compreensível: tinha uma veia mal formada de nascença. Quando nasci a medicina não estava evoluída para que fosse detetado num simples exame, esses exames são caros.

 

Ainda hoje estou em fase de recuperação, mas não vou desistir nunca.

 

Como foi a recuperação?

Inicialmente a recuperação foi difícil pois fiquei com paralisia facial e nos membros superior e inferior esquerdos. Para a recuperação da paralisia facial foi necessário técnicas que usamos no dia-a-dia e que nem damos conta do quanto são importantes, como a técnica do beijinho (tinha de mandar um beijinho); a técnica do sorrir e olhar para um espelho para me ajudar a melhorar; mastigar pastilhas elásticas diariamente também foi algo que me ajudou imenso. Em relação à recuperação do membro inferior esquerdo (a perna), comecei a largar a cadeira de rodas e a andar - ainda me lembro como se fosse agora do que me disseram: “a partir de hoje faz de conta que és um bebé e vais aprender a andar”, e assim foi. Como era uma criança quis andar o mais rápido possível, daí não o ter aperfeiçoado, mas hoje ando, pode não ser um andar perfeito, mas ando e orgulho-me de conseguir andar. A recuperação da mão e do braço foi, e é, muito mais difícil pois foram os membros mais afetados e que são sempre de lenta recuperação. Passaram-se 11 anos e pouco recuperei do braço, mas o que recuperei faz-me olhar para trás e ter orgulho. Dizer "não consegui tudo, mas já consegui um bocado". Ainda hoje estou em fase de recuperação, mas não vou desistir nunca. O meu maior sonho é poder ir a CUBA (porque lá a medicina é mais avançada) e dar o máximo de mim como tenho feito até hoje.

  

O que foi mais importante na tua recuperação?

Sem dúvida voltar a andar.

 

Que tratamentos fizeste?

Os tratamentos que fiz na altura foi a fisioterapia - que hoje continuo a fazer -, a terapia ocupacional que me ajudou muito a nível cognitivo e também tive terapia da fala para me ajudar na paralisia facial.

 

Conseguiste recuperar totalmente?

Não, mas vou conseguir sei que sim.

 

14542696_1780151155559929_608232621_n.jpg

 

O que aprendeste com esta vivência?

Que ninguém está livre e que o meu caso não é nada comparado com o de muita gente que conheci e vou conhecendo neste percurso. Conheci excelentes pessoas e outras com problemas mais graves.

 

Que conselhos podes dar a pessoas que possam estar a passar pelo mesmo que tu?

Nunca desistam, nem se deixem inferiorizar em relação a nada nem ninguém. Não somos menos nem mais que ninguém.

 

Sou muito mais forte do que alguma vez pensei vir a ser.

 

Deixaste de ter capacidade para fazer algumas coisas ou ainda te tornaste numa mulher mais forte?

Deixei de ter capacidade para tudo, mas hoje uso técnicas que aprendi com profissionais, e outras sozinha, que me tornaram 100% independente. Sou muito mais forte do que alguma vez pensei vir a ser.

 

14528342_1779332855641759_9046001_n.jpg

 

 Acompanhem-me também no Instagram aqui e no Facebook aqui.

Os improváveis/ Prémios Meios & Publicidade

15135960_1063437123755639_1915682864668009820_n.jp

 

Ontem assisti à gala dos Prémios Meios & Publicidade. A apresentação esteve a cargo do trio Os Improváveis e foi uma agradável surpresa. Já tinha ouvido falar muito, e bem, deste grupo português profissional de teatro de improviso, no entanto, ainda não tinha tido oportunidade de os ver ao vivo. A forma como improvisam em palco é muito interessante. Absorvem informações do público presente e transformam-nas exageradamente numa história. A sinergia entre os três em palco é fantástica e, pelos vistos, nada é combinado. A sua formação em teatro de improviso foi complementada em Chicago e utilizam técnicas muito curiosas. Fiquei muito tentada em vê-los noutro contexto e acredito que me vão surpreender ainda mais.

 

 

A sorte é que Os Improváveis ainda vão estar em cena na próxima quarta-feira 30 de novembro no Auditório dos Oceanos, no Casino Lisboa.

 

premios-MP-300x215.jpg

 

Quanto à 14º edição dos Prémios Meios & Publicidade aqui está a lista de vencedores nas mais diversas áreas:

 

Empresa de publicidade out-of-home: MOP
Agência de Design: Ivity Brand Corp.
Agência de Comunicação: Lift Consulting
Agência de Eventos e Activação: Niu
Produtora de Som: Índigo
Produtora de Imagem: Garage
Agência de Meios: MEC
Agência Criativa: O Escritório
Título de Automóveis: Top Gear
Título Desportivo: Record
Título de Televisão: TV Guia
Título de Sociedade: Caras
Título Feminino: Vogue
Newsmagazine: Sábado
Título de Informação Económica: Jornal de Negócios
Título de Informação Geral: Expresso
Rádio: Rádio Comercial
Canal de Desporto/Entretenimento: Fox
Canal de Informação: SIC Notícias
Produtora de Televisão: Plural
Canal Generalista: RTP1
Marca do Ano: Uber
Prémio de Mérito: Cândido Rodam
Prémio Carreira: Ricardo Monteiro
Personalidade de Marketing: Miguel Salema Garção
Personalidade de Publicidade: Judite Mota
Personalidade de Media: Ricardo Costa

 

Os meus parabéns!

 

Acompanhem-me também no Instagram aqui e no Facebook aqui.

Boas razões para enfrentar o frio

IMG_20161122_223428.jpg

 

Eu sei que com este frio não apetece sair debaixo das mantas, mas vá, coragem! Nem o frio nos pode impedir de ter um grande dia e enfrentá-lo com a melhor disposição do mundo. Afinal, todos os dias são diferentes e este será com certeza melhor do que ontem... basta acreditarem. Um belo sorriso no rosto também pode ajudar bastante!

 

IMG_20161122_091237.jpg

 

Um pequeno almoço saudável e energético também é meio caminho andado para a coisa correr bem! Força e tenham um excelente dia!

 

Acompanhem-me também no Instagram aqui e no Facebook aqui.